Register  /  Login

O Blog do Futebol em Portugal

Futebol / DIEGO MILITO: O príncipe de Milão

DIEGO MILITO: O príncipe de Milão

1486283_w2

 

Precisão nos remates, raça, bom posicionamento, presença constante na área, faro de golo e qualidade pelo ar. Diego Milito sempre teve todos os recursos de um grande avançado. Nunca foi craque, mas foi o jogador perfeito que o Inter precisava e que desde a sua saída não teve uma referência como ele.

Quando foi contratado pela Inter, o destaque do ataque era o grande avançado camaronês: Samuel Eto’o, mas diferente do que muitos achavam, foi o argentino que se destacou.

Revelado pelo Racing em 1999, o argentino chamou atenção do Genoa na Liga Italiana. Depois de uma boa temporada pelos italianos, Milito passou pela Liga Espanhola onde defendeu o Zaragoza por 3 anos. Regressando ao Genoa em 2008, fez uma das melhores temporadas de sua carreira marcando 26 golos em 32 partidas disputadas.

Para o seu lugar o Genoa contratou o lendário Hernán Crespo, pois Milito foi contratado em 2009 pela Internazionale de Milão onde viria a fazer história!

Nos 5 anos que passou no Inter a primeira temporada foi certamente a melhor. Quem não se lembra daquela histórica final dentro do Santiago Bernabéu? O Inter acabou com o Bayern graças à qualidade do argentino e todo o estádio gritou junto ao locutor: “Diego Alberto MILITO!”.

Irmão de Gabriel que também foi jogador, como defensor central da Seleção Argentina e do Barcelona, hoje aposentado, Gabriel Milito é treinador no futebol argentino.

Diego Milito marcou 75 golos em 171 jogos em Milão antes de regressar ao Racing, seu clube de coração. Na sua melhor temporada marcou 30 golos em 52 jogos na época 2009-10.

Nessa temporada Milito conquistou a Liga dos Campeões, a Liga Italiana, a Taça de Itália, a Supertaça de Itália e o Mundial de Clubes. Individualmente foi o melhor atacante e melhor jogador do ano da UEFA, melhor jogador da Liga Italiana e craque da final da Liga dos Campeões daquele ano.

Nunca foi unanimidade na sua seleção e já não é o mesmo de antes pelo Racing, mas a certeza é que mesmo hoje os torcedores italianos sentem falta da presença de Milito que fez história pelo clube como um dos maiores estrangeiros que por ali passaram.

Comentar