Register  /  Login

O Blog do Futebol em Portugal

Futebol / Olho de Tigre: Lyon 2015/2016 – Assalto ao título

Olho de Tigre: Lyon 2015/2016 – Assalto ao título

Depois da conquista do heptacampeonato em 2008, o Lyon tem andado arredado dos títulos, e por diversas vezes até mesma da discussão desses títulos. O técnico Hubert Fournier, na sua época de estreia no Lyon, apesar do fracasso nas restantes competições, esteve perto de dar um novo título ao Lyon, sete anos depois. Mesmo perante o domínio do PSG e a ascensão do Monaco, os Les Gones chegaram a estar á frente durante 10 jornadas, mas não foram capazes de reter essa posição, terminando em segundo.

Para esta nova época, Fournier tem feito questão de manter a estrutura base. Apenas algumas saídas e contratações pontuais e o suster do interesse de outros clubes em jogadores fundamentais como Lacazette e Fekir tem sido a estratégia do Lyon, para atacar a Ligue 1.

Guarda-redes: O português Anthony Lopes foi a última linha de defesa do Lyon na época anterior. Somou todos os minutos dos jogos no campeonato e é o natural dono desta posição. A Mathieu Gorgelin e Lucas Mocio restará espreitar alguma oportunidade em jogos menores.

Contratações: Nada a registar

Saídas: Jérémy Frick (Biel)

Objetivos: Ruffier (St-Etienne)

Lateral-direito: Christophe Jallet foi o habitual titular neste lugar, apenas partilhando escassos minutos com Mehdi Zeffane. Contudo a chegada de Rafael provavelmente será diretamente para o onze inicial, relegando Jallet para o banco e colocando Zeffane na porta de saída.

Contratações: Rafael (Man Utd)

Saídas: Nada a registar

Objetivos: Djibril Sidibé (Lille)

Lateral-esquerdo: Neste lado da defesa as dúvidas são maiores. Henri Bedimo foi o dono desta posição na época anterior, mas a contratação de Morel vem colocar em causa o lugar do camaronês. Morel foi habitual titular no Marselha, com boas prestações, e é provável que os minutos de jogo sejam partilhados entre ambos.

Contratações: Jérémy Morel (Marselha)

Saídas: Louis Nganioni (Utrecht, Emp), Mouhamadou Dabo (Sem clube)

Objetivos: Cheikh M’Bengue (Rennes)

Defesa-central: Jogador de muita qualidade e potencial, Samuel Umtiti foi um dos pilares da defesa do Lyon, e continuará a sê-lo. A dúvida reside em quem ocupará a vaga a seu aldo. Lindsay Rose, Milan Bisevac e Bakary Koné terminaram a época com os minutos partilhados entre si, mas na reta final da época a confiança do técnico Fournier recaiu sobretudo sobre Rose.

Contratações: Nada a registar

Saídas: Nada a registar

Objetivos: Nicolas Nkoulou (Marselha), Mapou Yanga-Mbiwa (Newcastle)

Médio-centro: Clément Grenier foi provavelmente das maiores “desilusões” da época anterior. Não por falta de qualidade, mas devido a lesão que o afastou durante quase toda a época, impedindo-o de prestar o seu contributo. Este ano, ainda a contas com essa lesão, o seu regresso está previsto para final de Novembro, contudo muito trabalho terá pela frente para subir aos relvados. Por isso, para já, Grenier é carta fora do baralho. Apesar de ter adotado o 4-3-3 no primeiro jogo oficial da época, Fournier optou a época passada por um losango sobre o meio-campo, sendo provável que o faça este ano. Entregou este sector ao capitão Maxime Gonalons, Corentin Tolisso, Jordan Ferri e a posição mais avançada a Nabil Fekir, sendo provável que mantenha a confiança neste conjunto. Já a Gueïda Fofana, Arnold Mvuemba, Steed Malbranque, Zakarie Labidi e Rachid Ghezzal restará concorrer pelas oportunidades que naturalmente a gestão do esforço físico apresentará ao longo da época.

Contratações: Nada a registar

Saídas: Farès Bahlouli (Monaco), Yoann Gourcuff (Sem clube), Sidy Koné (Sem clube)

Objetivos: Mathieu Valbuena (Dinamo Moscovo), Sergi Darder (Málaga), Marcos Lopes (Man City), Tongo Doumbia (Toulouse)

Avançados: Alexandre Lacazette é a estrela da companhia. Melhor marcador na época anterior, foi letal para os adversários, despertando interesse nos grandes clubes europeus. Contudo o Lyon foi capaz de suster essas investidas e com a renovação de contrato é muito provável que o francês continue á disposição de Fournier. Para lhe fazer companhia, Fekir fez tambem alguns jogos nesta posição, mas foi Clinton N’Jie que acabou por surpreender, despertando tambem algum interesse de outros clubes. Contudo é provável que vá partilhando minutos com Beauvue, recém-chegado do Guingamp onde se destacou. A Yassine Benzia e Maxwel Cornet terão que aguardar pelos minutos que jogos menores lhes proporcionarão.

Contratações: Claudio Beauvue (Guingamp)

Saídas: Mohamed Yattara (Standard Liege)

Objetivos: Benjamin Jeannot (Lorient), Neal Maupay (Nice)

Equipas

Equipa A (11 titular)

Equipa B (11 alternativo/suplente)

Equipa C (11 com jogadores comprados/que entraram)

O numero limitado de contratações não permite ou justifica a criação de um “onze”

Equipa D (11 só com jogadores que saíram/não jogarão porque serão emprestados)

Equipa E ( 11 só com objetivos para contratar)

Equipa F (Se todos os objetivos viessem para o clube +11 titular)

Ficha técnica do treinador

treinador

Nome: Hubert Fournier

Nascimento: 3 Setembro 1967

Naturalidade: Riom, França

Foi jogador: Sim

Enquanto jogador passou pelo clube: Sim

Clubes por onde passou (jogador): Maubeuge, Caen, Guingamp, Borussia Monchengladbach, Lyon, Rouen

Palmarés (jogador): Nada a registar

Clubes por onde passou (treinador): Reims

Palmarés (treinador): Nada a registar

Ficha técnica do clube

estadio

Ano de Fundação: 1899

Cidade: Lyon

Alcunhas: Les Gones

Estádio: Stade de Gerland

Capacidade: 40,494

Presidente: Jean-Michel Aulas

Site oficial: http://www.olweb.fr

E-mail: jeunes@olympiquelyonnais.com

Ranking IFFHS: 36º

Patrocinadores: Adidas, Hyundai, Veolia, Intermarche, Oknoplast, Cegid Group, MDA

Objetivos

Ligue 1: Ataque ao título

Coupe de la Ligue: Final

Opinião: Contra as previsões, Hubert Fournier fez um fantástico trabalho na época anterior. O Lyon não voltou a ser o natural campeão em França, a que nos habitou na primeira década deste século, nem a equipa revelação na Champions, mas apesar das eliminações precoces da Europa e Taça, o tempo disponível foi bem aplicado e quase surpreendiam o PSG na luta pelo titulo. É esse o desafio do Lyon, desafiar a hegemonia dos milhões e das estrelas do PSG, voltando há época dos títulos. Para isso, a manutenção da estrutura da época anterior e das peças chaves do plantel são pontos críticos para sonharem com algo, e têm-no conseguido. Dificilmente prevejo Lacazette e companhia a ficarem fora do pódio e ainda julgo haver grandes motivos para sonhar com o título.

Comentar